Ao vivo Rádio Atual FM
17.8 C
Concórdia

Empresa alvo de operação da polícia fornecia produtos para Concórdia

Joaçaba – A empresa Gasoxi, de Joaçaba, alvo de operação da Polícia Civil na manhã desta quinta-feira (18) forneceu produtos de uso medicinal para estabelecimentos de Concórdia.
Conforme o delegado regional de Joaçaba, Daniel Régis, além de Joaçaba, sede da empresa, os municípios de Concórdia, Vargem Bonita, Água Doce, Catanduvas, Lacerdópolis, Ouro, Capinzal e Luzerna, entre outros, estão sendo investigados.
O proprietário da empresa, Fabiano Piovezan, foi preso em flagrante pela Divisão de investigações Criminais (DIC) acusado de adulteração de produto medicinal e terapêutico e de comercializar tais produtos sem licença.
Ele é suspeito de adulterar os cilindros de armazenamento do material e entregá-los para postos de saúde, bombeiros e hospitais da região. Um caminhão com cilindros foi levado para perícia e outros materiais também foram apreendidos.
 
Segundo a Vigilância Sanitária Municipal, a empresa Gasoxi tinha licença apenas para comercializar gás industrial e não possuía esta liberação para gás do tipo medicinal. Por parte da vigilância foi confeccionado um auto de intimação e interditada a venda de gás medicinal, porém a parte industrial poderá continuar sendo comercializada normalmente.
De acordo com o delegado regional, a polícia identificou materiais que mostram indícios que o empresário lixava e pintava os cilindros e os reabastecia em desacordo com a lei. “Ao que tudo indica, ele comprava o oxigênio (O2) o de uma empresa que teria certificação para venda, porém a forma de manipulação do cilindro era irregular. já que tem que seguir uma série de exigências, que não eram cumpridas. Cilindros de CO2 com lacres com o nome da empresa dele, também foram encontrados, indicando que o gás foi envasado ali sendo que não tem autorização pra isso” explicou o delegado.
O tipo de crime que em tese foi cometido tem pena pesada, variando entre 10 e 15 anos, considerado como hediondo.
No ano de 2013 Piovezan foi preso em uma operação do Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (GAECO). Na época a ele atuava como gerente regional da Fatma e a prisão em flagrante se deu por porte ilegal de arma de fogo. O então diretor pagou fiança e foi liberado, mas seguiu sendo investigado pelo GAECO pela suspeita de outros crimes. Ele foi afastado do cargo que exercia.
 
(Com informações do site Eder Luiz)


Participe da comunidade no Whatsapp da Atual FM e receba as principais notícias do Oeste Catarinense na palma da sua mão.

*Ao entrar você está ciente e de acordo com todos os termos de uso e privacidade do WhatsApp

Notícias Relacionadas

Siga a Atual FM

290,148FãsCurtir
39,789SeguidoresSeguir

Em Alta